11 março 2012

Há um ano, estava perdida de mim, os acasos ainda agora me atormentam, se por uma voz me vejo aqui agora. Estava onde me não lembro, estava morta ou mais que viva. Era mãe e não me lembro, havia  um  ser por que tanto lutei, pequenina e eu, não me lembro, não me lembro. Há um ano,celebrava a vida e devolvi-me da morte. Morte, uma palavra que mal pronuncio, como se me garantisse a sua negação. Toda a minha vida brinquei com ela, e nesta noite fria, as minhas mãos molhadas tremem pela pequenês, pela ironia que me cala.
Há um ano, tive uma filha que me dá vida.
Há um ano, quase perdi a minha.

1 comentário:

Ana Valera disse...

SAUDADE de te ver publicar algo! Há muitas pessoas em outros lugares do mundo em situações parecidas e saber que ao menos alguem (você) consegue traduzir tantos sentimentos em palavras........ HÁ um ano minha vida era completamente diferente!