30 abril 2010

Nunca escrevi, crendo tê-lo feito
Nunca amei, crendo ter amado,
Nunca fiz nada a não ser esperar
Diante de uma porta fechada

M. Duras

3 comentários:

Leonardo B. disse...

[pela entrega à palavra,como pode Duras negar a porta cerrada; a chave esteve sempre por perto, dentro de si, como um amante incondicional]

um imenso abraço, Milhita

Leonardo B.

Sonhadora disse...

Minha querida
Tantas palavras e sentimentos, neste pequeno poema, adorei.

beijinhos com carinho

Sonhadora

Luz disse...

Amiga da alma,
Como gosto de Marguerite Duras. Dos seus escritos, do seu sentir profundo e, com tanta alma.

Como pode dizer-se tanta em tão poucas palavras.

Abraço da Luz