19 outubro 2009

As palavras são de água







"Agora revejo o meu rosto verdadeiro
que se expressa
feliz ou triste, não importa.
É a água da Fonte!
Não há estrangulamentos...
Sou a água que corre e me ilumina.
As palavras são de água.
Correm."


Eduardo Aleixo
Em "As palavras são  de água" 


Estarei presente, levar-me-hei comigo, inteira e um olhar de carinho e de orgulho. Por quem escreve, meu padrinho,  com alma solta em água fresca. 
Recordo o sorriso, uma viola e um caminho.
Agradeço ainda o carinho com que me segues e encorajas.
Parabéns !

1 comentário:

Eduardo Aleixo disse...

Vem, inteira. Eu estou limpo como as águas. Não há máscaras. Os pássaros compreendem. É isso que cantam. Grato fico. No bosque verde do riacho manso a luz te ilumina. É sempre manhã, quando vens inteira e eu te recebo limpo como as águas.
Bem hajas.