09 outubro 2009

Não vale a idade




Embala-me como se não me quisesses tirar da prateleira
deste-me um prazo sem validade
para não ter que esperar
e quando me acharam feio  
foste tu quem foi provar
que estava enganado          
por me achar podre por dentro

sabia que a fruta que te adoça a boca não podia ser ruim
que as ameixas que te sujam a roupa não podiam ser assim
se elas fossem mesmo más não estariam junto a mim
quando o meu lindo és tu
e se caio?
e se seco?
e se quebro antes do fim?

esta espera que é para já
mata-me por ser agora
esta vida de tão curta
sabe sempre a uma demora

in "o cheiro da sombra das flores", de João Negreiros

Numa leitura, ao acaso, deleitei-me com este poeta e pensador, a meu ver, Genial!!
Pesquisei, encontrei, palavras orquestradas em forma de monumento que me aqueceram, nesta manhã mais clara

5 comentários:

Sonja Valentina disse...

vale tudo, por um prazo sem validade. belo. cheio. a viver intensamente por saber que é longa a espera, e demora....

PAS[Ç]SOS disse...

A genialidade de João Negreiros é inequívoca. A sua capacidade de transcrever para os poemas a realidade dos dias, cativa pela crueza com que o consegue fazer. A primeira vez lido... e torna-se impossível não regressar.

Sonhadoremfulltime disse...

Almada Negreiros é um dos mestres do pensamento.

Luz disse...

Um poema genialmente sentido. Quantos há que sentem o que aqui é escrito de forma tão
sentida, mas um dia também se apercebem que a sua realidade não é aquela que lhes quiseram imputar.
Há uma espera que demora, mas que pode valer a pena...

Abraço e obrigada por este momento.

Sonhadoremfulltime disse...

Errata: Onde se lê Almada, deverá ler-se João.



Ps: A idade trás estas "coisas" :)

Abraço