10 julho 2009

Tou contente mana...

Sei o que é., mana.. Mais , menos, mas sei!

Sei as conversas que temos ao espelho, sem causas nem justificação, apenas frases caladas que servem para "aceitar". Nas que falamos, aos outros, enquadramos conhecimentos teoricos, minimizamos, exageramos. Sentimos...

São os passos que damos na mesma direcção, com sentido e pouco sentidos, é a memoria que nos trai e a culpa que nem tem lugar. Imagino os pirolitos, imagino te a ti a disfarçar. São as vozes sábias em que nos custa confiar, porque a vontade verdadeira é virar costas e apenas viver.

Estou tão contente mana. Percebo a calma, que nem apetece partilhar, percebo a paz.
Gosto tanto de ti minha mana!
Ontem à noite, sentada na rua com um sol e uma lua ao meu lado e dentro de mim, assisti a um grupo de putos a brincarem às escondidas na rua, o sitio do mata era uma placa, e eu vi-nos ali, enchi-me das memórias que nos tornaram como somos.
Lembras-te mana?
Lembras-te do clube das sete? Das noites quentes na Avenida em que pareciamos finalmente nós, que descobriamos formas de vida desconhecidas, do jogo de monopólio em casa do Mário, da paixão que o João tinha pela Teresinha e que lhe dava direito a umas lambadas quando chegava a casa? Do Mario? Tenho aqui cartas que ele te escreveu. Daquele livrinho "O amor é o zelo do inferno", Do Franklin, lembras-te daquela descida alucinante do Pato?
Lembras-te dos gritos da avó para irmos para casa e nós não iamos, dos cornetos de morango e daquelas miudas parvas que tinham vindo da America e julgavam que eram superiores? Coitadas, não sabiam nada.
Porque ali houve tanta vida...
Gosto tanto tanto de ti minha mana!!!

3 comentários:

Inês disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Naja disse...

Pesquei! ;)

Beijos

Inês disse...

Não consigo reescrever, desculpa se apaguei tudo, percebeste-me? Gosto tanto de ti mana!