22 janeiro 2010

Meggy


Estou sem palavras....
Estou tão triste!!!
 É um sentimento que não se descreve, é mais forte, é maior que nós.
Falei contigo, sem saber o que dizer, li-te agora e não tenho palavras, estou contigo, vou estar sempre.
Penso nesta merda toda de vida, de alaridos, de arrogancias e tretas, de palavras demais e amor demenos, desta raça ignorante que tem tanta porcaria sempre para dizer,. E sabes, não vale nada, vale este sentimento que não se cobra, que nem sabemos entender, não se concebe na nossa razão, fica o privilegio de sermos escolhidas por um amor deste tamanho.
Há-de ficar, sempre, assim..

5 comentários:

Inês disse...

Obrigada mana, eu sei o que sentes, como eu sinto, acho que tivemos o privilegio de aprender em meninas o significado deste amor. Estou triste, tanto.

perfume de laranjeira disse...

Um abraço de solidariedade nesta hora de tristeza. Amanhã, quando o Sol brilhar deixa-te iluminar plenamente e a tristeza apaziguará no teu coração.
Beijos

Luz disse...

Querida amiga da alma de luz,
Estou sem palavras..., triste, que dizer neste momento... Quero deixar aqui a minha solidariedade e dizer-te que gosto de ti e do teu sentir que como dizes há-de ficar sempre assim em ti e, em todos aqueles que são escolhidos por esse amor desse tamanho, é um amor que nem todos compreendem, mas nós sentimos.

Recebe um forte e apertado abraço desta amiga de luz e que está sempre contigo!

Luz disse...

Amiga,
Com a tristeza com que fiquei, acabei por não dizer que há um prémio para ti, para teu espaço no meu átomovida-um sonho, agarra-o se quiseres!

Abraço forte

Venho com o vento suão disse...

Não acerto! Ja rabisquei uns tantos modos de entrar. É a distancia? um mar imenso separando-nos na emoção e na solidariedade sempre presentes em nos? neste cordão umbilical que não se corta e agora vibra forte? Não é o calor humido que se entranha nos corpos, antes a inquietação de não estar presente, como se eu fosse alguem que alterasse a inexorabilidade da Vida. Ela tem este virtuosismo de nos fazer sentir, vibrar, estremecer. E recordar! A minha "Boneca" e na memoria viva da infancia revejo-me na neta querida... Ainda o nosso "Jacye", as imagens inesqueciveis naqueles por de sol do nosso Alentejo. Levo ate vos as aguas tepidas deste lado do Atlantico e as gratas recordações ainda bem vivas e recentes. Desde esse tão longo tempo em que tanto chorei a perda da minha amiguinha, ainda eu era como tu, Marianita, ate agora... tudo foi um viver tão intenso, que este presente menos bom terá que ser entendido como um episodio e, embora doloroso e sofrido, não pode fazer-te e (nos) esquecer que a Vida nos sorri e temos a obrigação de lhe retribuir um sorriso ainda maior, uma promessa garantida de futuro!